Skip to Content

Category Archives: Polêmicas

Baixista do Van Halen defende Billie Eilish: “a música serve para nos unir”

Billie Eilish, cantora de 17 anos, foi recentemente criticada na internet por não conhecer o Van Halen. Agora, o baixista da própria banda saiu em defesa da jovem.

Em entrevista ao programa de Jimmy Kimmel, a artista foi questionada sobre algumas bandas da época em que o apresentador tinha sua idade. Assim que Kimmel citou o grupo, Billie respondeu apenas com um “quem?”.

Após a chuva de críticas e zoações que a adolescente recebeu, o baixista Wolfgang Van Halen foi ao Twitter defender Eilish. O músico disse:

Se você ainda não ouviu nada sobre a Billie Eilish, vá conhecê-la. Ela é legal. Se você não ouviu nada do Van Halen, vá conhecê-los. Eles também são legais.

A música é feita para nos unir, não nos dividir. Ouça o que quiser e não zoe os outros por não conhecer aquilo que você gosta.

Justo, não?

Até o Smash Mouth deu sua opinião na rede social, afirmando que uma garota de 17 anos realmente não conheceria algo que “os velhos” ouviam na infância.

 

Na mesma entrevista, a jovem ainda revelou que não conhece nomes como Run DMC, Huey Lewis e Cabbage Patch Kids.

 

 

Fonte: Tenho Mais Discos Que Amigos

Stratovarius: página da Skol responde guitarrista após ele reclamar de cerveja

Na última segunda-feira (25) de novembro, chamou atenção nas redes sociais uma publicação feita pelo guitarrista do Stratovarius, Matias Kupiainen. Em turnê pelo Brasil, o músico reclamou da qualidade da cerveja Skol, definida por ele como “merda”.

“De volta à minha outra casa, São Paulo, por alguns dias e começando a turnê, nesta semana, em Buenos Aires! Mal posso esperar! Ps: coma frutas, não beba cerveja! Especialmente esta aqui. É uma merda”, afirmou o músico, ao publicar uma foto de uma lata de Skol com frutas ao fundo.

Embora tenha sido feita no último dia 14 de novembro (os dois shows do Stratovarius no Brasil já foram até realizados), a publicação viralizou ao ser “resgatada” no Twitter. E foi por lá que a Skol decidiu responder à crítica, buscando um tom bem-humorado em sua publicação.

A página da Skol publicou uma espécie de camiseta de banda em turnê. Na estampa da frente, um suposto músico de rock “cadavérico” surge rodeado de crânios e com duas latas de Skol nas mãos. No verso, os escritos “Skol world tour 2020” estão acompanhados de locais por onde a cerveja passou, como “Papudim bar”, “Bodega”, “Dragon Bar Z” e “Lá no Ernani”.

 

Fonte: Whiplash

 

Emma Watson posa vestida de freira sexy e é criticada

Emma Watson foi uma das celebridades escolhidas para posar para o calendário Pirelli de 2020. No entanto, a sua participação acabou dando o que falar devido à roupa que a atriz, que se tornou conhecida em ‘Harry Potter’, usou.

Uma vez que o tema era a interpretação das várias personagens de ‘Romeu e Julieta’, de Shakespeare, Emma assumiu este lado.

No entanto, a indumentária acabou por ser criticada: “Ela está miserável”, disse o polêmico jornalista britânico Piers Morgan, apresentador do programa ‘Good Morning Britain’ ao comentar a foto.

Ele ainda acrescentou que, antes, o calendário costumava ser algo alegre, e disse não entender o motivo desta mudança.

Além de Emma, o fotógrafo, Paolo Roversi, contou ainda com a participação de Kristen Stewart e Claire Foy, entre outras celebridades.

 

Fonte: Notícias Ao Minuto

Irmão de Joey Ramone acusa viúva de Johnny de enganar fãs dos Ramones

O irmão de Joey Ramone, Mickey Leigh, acusou a viúva do guitarrista Johnny Ramone, Linda Ramone, de degradar o legado da lendária banda de punk rock, os Ramones, e enganar os fãs dos músicos, segundo o site Page Six.

A declaração foi feita durante uma série de audiências fechadas para discutir as antigas decisões determinadas pelo árbitro Bob Donnelly, na Suprema Corte de Manhattan. Segundo Donnelly, Leigh e Linda deixaram de cumprir as obrigações de preservar o patrimônio da banda por causa dos conflitos pessoais entre eles.

“[Mickey Leigh e Linda Ramone] tem a mais sagrada missão de cuidar do trabalho criativo da banda, de proteger a marca icônica e educar os novos fãs para prolongarem o legado deles […] Ao invés disso, as festas permitiram que os egos e a inimizade deles interferissem no cumprimento obrigações conjuntas por meio de falhas na comunicação, omissão de informações e rejeição irracionalmente de aprovações”.

Nos documentos, Leigh afirmou que Linda – conhecida por namorar tanto Joey quanto Johnny – quer usar o nome criado pelos integrantes da banda para interesses pessoais e batizar um terreno dela na Califórnia de ‘Ramones Ranch’.

“[Linda] está tentando enganar os fãs de Ramones e o público para acreditarem que essa é a casa oficial dos Ramones”, disse o irmão do falecido vocalista.

Ele também declarou que a viúva usou o nome Linda Ramone para promover um evento anual em homenagem à Johnny e utilizou as músicas e outros produtos da banda sem licença.

“Nem ela, nem eu – como pessoas que supostamente representam os Ramones – deveríamos usar o nome designado pelos integrantes e usá-lo como nosso […] Eu acredito que é minha responsabilidade proteger o nome Ramones e Ramone para a banda, para o uso dos integrantes e para fazer o que é de interesse deles, não meu”, disse Leigh para o The Post.

Em resposta, Donnelly determinou que Linda deve usar outro nome para nomear a propriedade, como “The Johnny Ramone Ranch” ou “The Linda Ramone Ranch”. Além disso, a viúva terá que utilizar o nome Linda Cummings-Ramone nos projetos futuros.

“Mickey Hyman [nome de batismo de Mickey Leigh] e Linda Cummings-Ramone foram encarregados com a importante missão de preservar o legado dos Ramones para os seguidores existentes e aumentar a marca icônica para um novo grupo mundial de fãs […] O único jeito de cumprir esses objetivos, na minha opinião, é por meio de mudanças radicais feitas por Mickey, Linda e os representantes deles”, declarou Donnelly.

 

Fonte: Rolling Stone

Chorão: filho é cobrado na justiça por shows que seu pai não fez por ter morrido

Matéria da Folha relata que um processo judicial tramitando na justiça envolvendo uma empresa sediada no Paraná e o filho de Chorão, o fotógrafo Alexandre Ferreira Lima Abrão, pede um indenização de R$225 mil além de R$100 mil de multa por nove shows não realizados pelo cantor, já que doze deles teriam sido contratados mas apenas três realizados, já que neste meio tempo Chorão veio a falecer.

“Ao investir consideravelmente na contratação da banda, a empresa deixou de contratar outro artista, o qual poderia ter-lhe proporcionado a receita inerente à sua atividade”, argumentou no processo o advogado da empresa, explicando que os R$225 mil são resultado de um adiantamento ao cantor. Já o advogado de Alexandre Ferreira diz que o pedido de indenização é uma “loucura”: “Naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows, ele morreu…”

Fonte: Whiplash

Viúva e filha de Kurt Cobain são processadas por estilista pelo logo do Nirvana

A viúva e a filha de Kurt Cobain (1967-1994) estão sendo processadas pelo estilista Marc Jacobs em uma briga pelo logo da marca Nirvana. O processo é uma reação do estilista a um processo prévio movido pela Nirvana L.L.C. – empresa responsável pela administração da marca Nirvana e pertencente a Courtney Love, Frances Bean Cobain, Dave Grohl e Krist Novoselic. O processo foi noticiado pelo site The Blast.

Ex-amigo de Love e da filha de Cobain, Jacobs pede que seja removido a detenção dos direitos da Nirvana L.L.C. sob o rostinho sorrindo que durante anos serviu como logo da banda. O estilista havia sido proibido de comercializar uma camisa de sua marca pessoal que substituia o nome Nirvana pela palavra “paraíso” e colocava as iniciais dele no lugar dos olhos do rostinho amarelo.

Na avaliação dos advogados de Jacobs, os depoimentos de Dave Grohl e Krist Novoselic no julgamento que deu ganho de causa à Nirvana L.L.C. e impediu a comercialização da camisa não deram provas suficientes de que Kurt Cobain seria o verdadeiro autor da versão do rostinho sorridente que era utilizado como logo da banda, daí os direitos do uso da imagem não deveriam ser exclusivos da Nirvana L.L.C.

Amigos durante anos, Marc Jacobs e Courtney Love e seus representantes legais não teriam conseguido chegar a um acordo em relação ao uso da imagem e o novo processo resultará em um novo julgamento. Além da liberação dos direitos da imagem, Jacobs pede que a Nirvana L.L.C. pague seus gastos com seus advogados e toda sua equipe legal. Até o momento, Courtney Love e Frances Bean Cobain não se pronunciaram publicamente sobre o assunto.

 

Fonte: Monet

Judas Priest: Richie Faulkner diz que presença de K.K Downing não é decisão dele

Recentemente, o eterno ex-guitarrista do Judas Priest K.K. Downing afirmou que a chance dele participar da tour de aniversário em comemoração aos 50 anos do Judas Priest é quase nula (um eufemismo para não falar que ela não existe).

Como era de se esperar, os fãs ficaram alvoroçados com a revelação de K.K., e um deles, chamado Elkin Cardona, foi xingar muito no Twitter: “O que? !!! @judaspriest Você está falando sério? Não seja filho da puta como o Black Sabbath com Bill Ward. Seja grato, não seja idiota.”

Prontamente, Richie respondeu, falando o óbvio: “Como eu disse antes Elkin, não é minha decisão. Não tenho um relacionamento de 50 anos como eles. É a decisão deles”.

Ficamos no aguardo do próximo capítulo deste novela (que está com mais capítulos do que a franquia “Velozes e Furiosos”).

 

Fonte: Whiplash

David Gilmour diz que saída de Roger Waters do Pink Floyd foi libertadora

Em 1985, o Pink Floyd surpreendeu o público quando, de certa forma, optou em seguir as atividades sem o principal vocalista, baixista e compositor, Roger Waters.

Sem ele, foram lançados dois álbuns – “A Momentary Lapse Of Reason” e “The Division Bell” – entre as décadas de 1980 e 1990. Logo depois, o grupo entrou em hiato e apenas em 2014 foi divulgado um último projeto com esboços de algumas canções.

Mas agora, em um box set liberado recentemente, diversos materiais relacionados ao período inicial sem Waters na banda foram compilados. Intitulado de “The Later Years”, o projeto relança o álbum “A Momentary Lapse Of Reason” e o ao vivo “Delicate Sound Of Thunder”, além de apresentar gravações inéditas entre 1987 e 1994.

Para promover a novidade, algumas entrevistas estão sendo divulgadas e em um desses registros, David Gilmour explicou a sensação de seguir com o Pink Floyd sem Waters e que para todos foi algo “libertador”.

“Todos sabíamos que Roger iria sair. Ele não estava feliz, nós também não. Eu sempre soube que queria seguir em frente, Nick parecia desejar isso também. Falei com Rick durante uma folga, na Grécia, e conversamos sobre seguir em frente e ele também queria”.

Gilmour contou sobre as brigas em que se envolveram nos últimos anos de Waters no Pink Floyd. “Eu me sentia confiante de que as gravadoras gostariam de lançar um álbum nosso. Obviamente, não ter Roger foi algo diferente, mas em algumas formas, nos sentíamos livres”.

Ele acrescenta: “As tensões dos dois álbuns anteriores, especialmente em ‘The Final Cut’, já não estavam mais ali. Éramos apenas nós juntos, compondo e gravando. Havia um senso de liberdade e otimismo”.

 

Fonte: Rolling Stone

Brasil cai em ranking de liberdade da internet

O Brasil caiu no Ranking da Liberdade da Internet 2019, divulgado pela organização internacional Freedom of the House. O país foi avaliado na edição de 2019 com índice 64 (considerando uma escala de 0 a 100), contra 69 em 2018. Com o desempenho, a nação ficou na categoria de “parcialmente livre” em relação à rede mundial de computadores.

A queda da nota incluiu o país entre os que mais retrocederam em relação a 2018, juntamente com Sudão, Kazaquistão, Bangladesh e Zimbábue. Esses países foram identificados como locais onde houve ações coordenadas para influenciar eleições e processos políticos nos últimos anos, como também Estados Unidos, Egito e Tailândia. “Atores não identificados realizaram ciberataques contra jornalistas, entidades governamentais, usuários engajados, com a manipulação das redes sociais alcançando novo patamar”, pontua o relatório.

A pesquisa mede diversos aspectos. Um deles são os obstáculos ao acesso à internet, cujo índice de pessoas conectadas em 70% foi considerado insuficiente em comparação com médias de nações da América do Norte, da Europa e da América Latina. O estudo cita políticas públicas, como o programa do governo federal Internet para Todos, mas aponta problemas, como as desigualdades no acesso à rede entre ricos e pobres.

Também foram analisadas as limitações à circulação de conteúdos. A pesquisa não identificou atuação de autoridades para bloquear mensagens, mas mapeou iniciativas tanto de políticos para derrubar conteúdos (500 pedidos nas eleições de 2018 segundo a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo – Abraji) quanto das próprias plataformas digitais, que removeram publicações alegando estarem ferindo seus termos e serviços.

A investigação avaliou também violações dos direitos dos usuários. Os autores destacaram a importância do Marco Civil da Internet (Lei nº 12.965) como arcabouço de proteção dos internautas, mas apontaram diversas tentativas de regulação que ameaçam garantias dos cidadãos, como projetos de lei para criminalizar quem compartilha fake news e com restrições à discussão online sob o argumento de “combate ao terrorismo”. Por outro lado, o documento celebra a aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709 de 2018) como uma conquista.

Entre as 65 nações analisadas pelo estudo, 20% foram consideradas “livres”, 32% “parcialmente livres” e 35% “não livres”. No total, 33 países tiveram quedas em suas notas, enquanto 16 melhoraram no índice. No topo estão Islândia, Estônia, Canadá, Alemanha e Austrália. As piores colocações foram de China, Irã, Síria, Cuba e Vietnã.

Nações como Rússia e China foram apontadas pelo estudo como promotoras de ciberataques visando influenciar processos democráticos em outros países. No primeiro caso, ações russas teriam mirado a eleição na Ucrânia.

Contudo, a maioria das ações de interferência em processos eleitorais ocorrem majoritariamente por forças políticas internas. Essas iniciativas se deram de três formas: medidas informacionais, com disseminação de mensagens favorecendo governos ou partidos; medidas técnicas, como restrição a veículos online e censuras; e medidas legais, como punição de oponentes.

 

Fonte: Notícias O Minuto

 

 

Bruce Dickinson: vocalista se envolve com “super fã” e acaba com casamento de 29 anos

Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden, pode enfrentar um divórcio de 90 milhões de libras (aproximadamente 460 milhões de reais) depois de se separar de sua esposa e encontrar o amor com um super fã. A lenda do heavy metal de 61 anos se separou discretamente de Paddy, sua esposa por 29 anos e mãe de seus três filhos, há um ano atrás. Ele então se mudou para Paris com sua instrutora de fitness Leana Dolci, que acredita-se, seja 15 anos mais jovem que ele.

Uma fonte relata: ‘Leana sempre foi uma grande fã do Iron Maiden, seguindo-os por quase 10 anos. Ela e Bruce ficaram muito próximos no ano passado e ela até conheceu os filhos dele. Paddy está na América do Sul, passando algum tempo para assimilar tudo’.

Em sua página do Instagram (nota do tradutor: não conseguimos localizar o link), Leana se autodenomina uma ‘criança de flor com coração de rock and roll’ e diz: ‘Amo os dias que começam com você ao meu lado. Na cama. Sem roupa’. Ela entrevista regularmente estrelas do rock no canal da web Duke TV. E em uma entrevista recente, Bruce teria dito que estava morando em Paris ‘com minha namorada’.

Em 2018, seu casamento com Paddy começou a desmoronar. O casal não tem planos imediatos de se divorciar – mas se os procedimentos legais começarem, Bruce terá que gastar parte de sua fortuna estimada em 90 milhões de libras”.

 

Fonte: Whiplash

 

title_goes_here