Elton John comparou Rocketman e Bohemian Rhapsody, e criticou as alterações feitas na história de Freddie Mercury para produzir o filme. Em entrevista à Variety, o cantor também defendeu a própria cinebiografia e afirmou que fez questão de não suavizar as polêmicas da vida pessoal diante do público.

“O nosso fala a verdade, embora seja fantasia… Minha vida não pode ser enfeitada, eu não queria que fosse”, disse o cantor.

John ainda ficou insatisfeito com o fato de Taron Egerton não ter sido indicado ao Oscar 2020 da mesma forma que Rami Malek, em 2019.

“A performance de Rami Malek ganhou um Oscar. A [performance] de Taron não foi indicada, mas eles dois realizaram performances ótimas […] Eu queria ganhar por Taron Egerton, que foi tão incrível ao longo do filme. E ele vai ganhar um Oscar um dia”.

Por outro lado, o cantor ficou contente pelos colegas de Mercury terem conquistado uma nova geração de fãs para o Queen. O artista disse: “Bohemian Rhapsody foi um filme para todos e isso funcionou brilhantemente […] Ele trouxe a ótima música de Freddie Mercury para outro aglomerado de pessoas, as quais nunca ouviriam falar nele. Eu estou muito feliz pelos caras [do Queen]”.

No cinemas, Bohemian Rhapsody conquistou os críticos e arrecadou US$ 903,6 milhões nas bilheterias mundiais, além de ter vencido quatro das cinco categorias para as quais foi indicado no Oscar 2019.

Já Rocketman arrecadou US$ 195 milhões nas bilheterias mundiais e venceu a única categoria para qual foi indicado no Oscar 2020. John recebeu a segunda estatueta da Academia de Melhor Canção Original, por “(I’m Gonna) Love Me Again”.

Apesar das críticas, Elton John e Freddie Mercury eram amigos próximos e possuíam até apelidos especiais um para o outro. O cantor pop foi um dos poucos amigos permitidos a visitar o astro do rock nos últimos dias. Além disso, antes de morrer, Mercury planejou o envio de um presente póstumo para o amigo no Natal.

 

Fonte: Rolling Stone