13 de julho, Dia do Rock. Se tem algo que liga os fãs do gênero é aquele já conhecido símbolo com as mãos: dedos indicador e mindinho levantados. O chamado “chifrinho do metal” acabou virando marca registrada, mas sua origem já foi alvo de polêmica, como quando Gene Simmons tentou patentear oficialmente uma de suas versões e foi criticado pela mulher do vocalista Ronnie James Dio, que popularizou o gesto. O que nem todo mundo sabe é que a origem do símbolo, no que se refere à música, é ainda mais antiga do que as referências de Dio e Simmons e remete à década de 1960. Em 1969, a banda de rock psicodélico Coven, dos Estados Unidos, trouxe um ar de culto diabólico às artes de seu prdisco: “Witchcraft Destroys Minds & Reaps Souls”.

Na contracapa, dois dos músicos aparecem fazendo o sinal. Além disso, frases como “Hail Satan” (algo como “Salve Satã”) e o uso de imagens de caveiras e de cruzes invertidas mostravam o tom obscuro adotado pelo grupo, que gravou uma música chamada “Black Sabbath” antes de a banda inglesa considerada pioneira do heavy metal gravar seu álbum de estreia. Uma faixa de 13 minutos fecha o disco, com uma missa satânica.

 

Fonte: Uol