A aposentadoria ocorreu muito cedo, diz Kerry King sobre o Slayer

O Slayer fez o último show de sua turnê de despedida em novembro de 2019

A aposentadoria ocorreu muito cedo, diz Kerry King sobre o Slayer

O guitarrista de 57 anos falou sobre a decisão de sua banda de parar enquanto gravava uma pequena mensagem de vídeo para parabenizar Machine Head pelo seu 30º aniversário.

"Então, ouvi dizer que os parabéns são para os meus amigos do Machine Head", diz King no vídeo. "Aparentemente, são 30 anos, o que é uma grande conquista. Não há muitas bandas que chegam a isso. Nós chegamos, e então nós desistimos muito cedo. Foda-se a gente. Foda-se. Odeio não tocar."

King continuou dizendo que o Machine Head é "a única banda" que ele já "exigiu que abrisse para o Slayer". Os dois grupos dividiram o palco pela primeira vez em 1994, quando o Machine Head lançou seu álbum de estreia, Burn My Eyes.

O Slayer fez o último show de sua turnê de despedida em novembro de 2019 no Fórum de Los Angeles. Um dia depois, a esposa de Kerry, Ayesha King, disse que "não há nenhuma chance no inferno" de que os ícones do thrash metal se reúnam para mais aparições ao vivo. Em agosto de 2020, ela mais uma vez derrubou a possibilidade de seu marido e o baixista/vocalista Tom Araya dividirem o palco novamente sob a bandeira do Slayer.

Depois que Ayesha compartilhou três fotos de Kerry segurando seu gato em um post no Instagram do tipo slideshow, um fã escreveu: "Sem Tom, sem Slayer, Kerry. Pare de pensar em Slayer sem @tomarayaofficial". Ayesha então respondeu: "Não se preocupe, eles nunca mais serão o Slayer! Você pode descansar tranquilo".

No mesmo mês, o baterista Paul Bostaph confimou que ele está envolvido em um novo projeto liderado por Kerry King. A dupla passou grande parte do último ano e meio trabalhando em música com a esperança de gravá-la corretamente, uma vez que a pandemia coronavírus está em regressão.

Bostaph disse ao Riff Crew da Austrália que a nova banda "soará como Slayer sem ser Slayer — mas não intencionalmente. Quero dizer, Kerry escreveu músicas na banda toda a sua carreira, e ele tem um estilo", explicou. "E esse estilo, como compositor, você simplesmente não muda porque sua banda está pronta... Então, tudo que posso dizer é que se você gosta de música pesada e gosta de Slayer, você vai gostar do que vem por aí."

Apenas alguns dias antes, Kerry disse a Dean Guitars que ele tinha muitas ideias musicais para seu próximo projeto. "Tive muita, muita sorte com riffs em 2020", disse ele. "Talvez porque eu não possa ir a lugar nenhum - eu não sei - mas riffs certamente não têm sido um problema. E olhando para o futuro, o que isso significa para mim é que eu vou ser capaz de escolher as melhores coisas. E é coisa boa. Eu já tenho material para mais de dois discos de música, mas para ser capaz de passar por isso e escolher as melhores 11 ou 12 [músicas]... Esse primeiro disco deve ser foda".

Quando o SLAYER anunciou pela primeira vez que estava embarcando em sua turnê final em janeiro de 2018, Ayesha garantiu aos fãs que eles "sempre sempre terriam música" de seu marido. King disse em entrevistas anteriores que seus esforços musicais pós-banda não seriam muito diferentes para os fãs do som que se acostumaram a ouvir dele. "Se alguém desistir, eu não vou sair por aí com um assassino inventado", disse ele ao AZCentral.com em 2010. "Mas minha próxima banda certamente soaria como o Slayer, é tudo o que sei."

A última turnê mundial começou em 10 de maio de 2018 com a intenção da banda de tocar no máximo possível de lugares, para que os fãs vissem um último show e se despedissem. Quando a tour de 18 meses terminou, a banda havia completado sete etapas de turnê mais uma série de grandes festivais de verão, realizando mais de 140 shows em 30 países e 40 estados americanos.

Araya falou sobre sua possível aposentadoria em uma entrevista à Loudwireem em 2016. Ele disse: "Aos 35 anos, é hora de receber minha pensão [Risos]. Isso é um movimento de carreira." Ele continuou: "Eu sou grato que estejamos próximos há 35 anos; isso é muito tempo. Sim, para mim é. Porque quando começamos, tudo estava ótimo, porque você é jovem e invencível. E então chegou um momento em que me tornei um homem de família, e tive dificuldade em voar pra lá e pra cá. E agora, nesta fase, no nível que estamos agora, eu posso fazer isso; eu posso voar para casa quando eu quiser, em dias de folga e passar algum tempo com minha família, que é algo que eu não era capaz de fazer quando [meus filhos] estavam crescendo. Agora ambos são mais velhos e maduros. E agora eu me aproveito disso." Araya acrescentou: "Sim, fica cada vez mais difícil voltar para a estrada. 35 anos é muito tempo."

Tom também revelou outra razão para sua diminuição da vida em turnê. Ele disse: "Há coisas que aconteceram na minha vida que me fizeram mudar a forma como toco. Fiz uma cirurgia no pescoço, então não posso mais fazer headbang. E isso foi uma grande parte do que eu gostei de fazer o que eu faço - cantar e bater cabeça. Eu gostava de saber que eu era um dos malditos headbangers fodões. Isso teve um grande papel. Agora eu só vou de groove com a música, o que é legal, porque eu estou tateando com a música e as sensações que isso proporciona, então isso mudou um pouco para mim."