Cerca de 700 artistas endereçaram uma carta aberta pedindo aos parlamentares dos EUA que apoiem as casas de shows independentes em todo o país.

Com o título de #SaveOurStages, a campanha mobilizou músicos, atores e comediantes a redigirem uma carta acompanhada de suas assinaturas, pedindo que o Congresso dos EUA forneça assistência para os locais que estão lutando para sobreviver devido ao encerramento de suas atividades por causa da pandemia.

Entre os nomes na campanha da National Independent Venue Association estão Ozzy Osbourne, Robert Plant, os membros da banda Foo Fighters, Alice Cooper, Neil Young, Alan Parsons, Duff McKagan, a banda Queensryche, Zakk Wylde e a banda Halestorm.

O conteúdo enviado ao congresso em 18 de Junho é o seguinte: “Nós, os artistas abaixo-assinados, enviamos respeitosamente esta carta em apoio ao pedido da Associação Nacional de Locais Independentes para assistência federal á locais e promotores independentes de música nos Estados Unidos. Saberemos que a América está de volta á vida normal quando nossos pubs e casas de show estiverem cheios de fãs curtindo os eventos com segurança. A experiência de música ao vivo está absolutamente ligada ao tecido cultural e econômico de nossa nação. De fato, 53% dos americanos, ou seja, 172 milhões, assistiram a um show no ano passado. Pedimos que os senhores lembrem que somos a nação que deu ao mundo o jazz, o country, o rock’n’roll, o metal, p blues e o R&B. O entretenimento é a maior exportação econômica da América, com músicas escritas e produzidas por artistas americanos cantadas em todos os lugares do mundo.

A carta segue: “Todos esses gêneros musicais, e os artistas por trás deles, conseguiram prosperar porque tinham os pequenos pubs, locais independentes, para tocar e aprimorar seu ofício, formar seu público e crescer como artistas que trazem alegria á milhões. Esses locais geralmente são como o primeiro estágio do contato profissional com a música, onde a maioria dos artistas tiveram seu início. E eles foram os primeiros a fechar e serão os últimos a reabrir. Com receita zero e a sobrecarga esmagadora de aluguel, hipoteca, serviços públicos, impostos e seguros, 90% dos locais independentes relatam que, se o isolamento durar seis meses e não houver assistência federal, eles nunca reabrirão novamente. Pedimos que os senhores apoiem o pedido de assistência para que esses locais possam reabrir quando for seguro e recebam nossos fãs e a nós de volta. O colapso desse elemento crucial no ecossistema da indústria da música seria devastador. Com respeito e solidariedade, nós, como artistas que formamos nosso público dentro desses locais e hoje temos nosso nome impresso na história da música e como membros da comunidade, solicitamos que os senhores aprovem uma legislação federal que ajudará a #SaveOurStages”.

No início deste mês, Horace Trubridge, da Union of Musicians do Reino Unido e Julian Bird, chefe executivo da Society of London Theatre, disseram que 70% das casas de show e teatros do Reino Unido corriam risco de fechamento permanente, a menos que o governo tomasse medidas. A notícia veio depois que o Music Venue Trust (entidade filantrópica britânica fundada em Janeiro de 2014, responsável por ajudar a manter muitos locais destinados á arte e cultura no Reino Unido) lançou a campanha #saveourvenues em Abril para apoiar 556 locais ameaçados de fechamento permanente em todo o país.

Para acompanhar mais infomações, veja a página da campanha.

FONTE: NIVA