Skip to Content

Category Archives: Rock pelo mundo

Deep Purple: por que Ian Gillan não enjoa de cantar “Smoke on the Water”

O vocalista Ian Gillan revelou, em entrevista a Greg Prato, do Songfacts, que não se cansa de cantar a música “Smoke on the Water”, do Deep Purple. E há um motivo para isso.

“Smoke on the Water” se tornou, de forma inegável, um grande clássico do rock. Todavia, vários fãs e até mesmo músicos dizem que já enjoaram de ouvir a canção e até brincam que toda banda iniciante faz um cover dessa faixa.

A letra conta a real história de quando o Deep Purple estava em um cassino em Montreux, na Suíça, assistindo a um show do Frank Zappa com o The Mothers of Invention. Durante um solo de sintetizador, um fã atirou um sinalizador no teto, o que fez o local pegar fogo.

“Tentamos recriar nessa letra toda aquela atmosfera da melhor forma que conseguimos. Quando fizemos a letra, pois estávamos com pouco material, achávamos que essa música seria apenas para ‘encher’ o álbum (‘Machine Head’, de 1972). Foi feita no último minuto. O riff e a backing track foram feitas no primeiro dia como uma passagem de som, sem letras”, disse Gillan, inicialmente.

youtube player

O cantor pontua que o engenheiro de som disse ao Deep Purple, um dia, que faltava bastante tempo para fechar a duração do disco “Machine Head”. Foi aí que nasceu “Smoke on the Water”. “Roger (Glover, baixista) e eu fizemos uma letra biográfica sobre a ocasião em que fizemos o álbum. Foi assim que aconteceu. Não tocou nas rádios por um ano porque era longa demais. Só mudou quando um cara da gravadora Warner nos viu em um show e conferiu a reação da plateia. Ele fez uma edição de 3 minutos e meio e tocou na rádio pela primeira vez, um ano depois do álbum sair”, afirmou.

Como a letra de “Smoke on the Water” trata de uma história real, Ian Gillan não se cansa de apresentar a música com o Deep Purple porque “como toda canção com uma narrativa, você é levado para aquele lugar”. “É fantástico, amo cantar essa música. Tem muito groove. E o mais importante: todos na plateia se envolvem, sabem cada palavra e cada batida. É uma experiência compartilhada, como uma euforia congregacional. Fantástico, eu amo isso”, disse.

Gillan concluiu que não enjoa de nenhuma música do Deep Purple. “Amo todas elas. Não tenho problema em cantar todas elas todos os dias”, pontuou.

Ozzy Osbourne desabafa: “Parem de perguntar se estou bem!”

Ozzy Osbourne, lenda do heavy metal e frontman do Black Sabbath, foi diagnosticado com Mal de Parkinson em fevereiro do ano passado. Desde então, muitas pessoas sempre perguntam sobre o seu bem-estar.

Ozzy Osbourne desabafa: "Parem de perguntar se estou bem!"  

Foto: Vladimir Astapkovich | AP

“(Eles) ficam assim: “Você está bem?” Sim, parem de me perguntar se estou bem. Não estou bem se você me perguntar se estou bem”, respondeu durante uma recente entrevista ao Entertainment Tonight.

Outra coisa que anda incomodando Osbourne é o fato das turnês terem sido adiadas, devido à atual crise do coronavírus. Os seus shows solo também não escaparam dos cancelamentos.

“É uma pena. Acabei de descobrir outro dia que shows indoor serão uma coisa do passado”, lamenta.

Mesmo assim, ele confessa que está ansioso para voltar aos palcos: “Assim que eu me levantar, sairei. Mal posso esperar. Pandemia ou não, mal posso esperar”, concluiu.

APÓS 17 ANOS, MIDNIGHT OIL ANUNCIA NOVO SINGLE

O Midnight Oil anunciou em suas redes sociais o lançamento de “Gadigal Land”, sua nova música depois de 17 anos. Este novo single fará parte do próximo álbum intitulado The Makarrata Project e chegará nas plataformas digitais na próxima sexta, dia 7 de agosto.

No mesmo comunicado, a banda disse que lançará um vídeo deste single no sábado, dia 8, durante a transmissão do NITV, o National Music Awards da Austrália.

ROBERT PLANT LANÇA A INÉDITA “CHARLIE PATTON HIGHWAY (TURN IT UP – PART 1)”

Robert Plant lançou a faixa inédita “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)”, que estará na coletânea Digging Deep: Subterranea. Essa é uma das três músicas novas do álbum duplo, previsto para sair em 02 de outubro.

O trabalho vai reunir 30 canções dos 11 álbuns solos de Plant, incluindo os destaques “Hurting Kind” e “Shine It All Around”, indicado ao Grammy, ao lado da inédita “Nothing Takes the Place of You” e uma versão de “Too Much Alike”, de Charlie Feathers, em dueto com Patty Griffin.

A coletânea também contará com antigos colaboradores, como Jimmy Page, Phil Collins, Buddy Miller, Nigel Kennedy, Richard Thompson, entre outros.

Tracklist de Digging Deep: Subterranea:

CD1
01. Rainbow
02. Hurting Kind
03. Shine It All Around
04. Ship of Fools
05. Nothing Takes the Place of You
06. Darkness, Darkness
07. Heaven Knows
08. In the Mood
09. Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)
10. New World
11. Like I’ve Never Been Gone
12. I Believe
13. Dance with You Tonight
14. Satan Your Kingdom Must Come Down
15. Great Spirit (Acoustic)

CD2
1. Angel Dance
2. Takamba
3. Anniversary
4. Wreckless Love
5. White Clean & Neat
6. Silver Rider
7. Fat Lip
8. 29 Palms
9. Last Time I Saw Her
10. Embrace Another Fall
11. Too Much Alike (feat. Patty Griffin)
12. Big Log
13. Falling in Love Again
14. Memory Song (Hello Hello)
15. Promised Land

Clássico do Clube da Esquina ganha versão rock pela Unabomber

“Canoa Canoa” é uma música com mais de 40 anos de história, mas que poderia ter sido lançada hoje. Imortalizada na voz de Milton Nascimento, a composição de Fernando Brant e Nelson Ângelo falava sobre a preservação do meio ambiente e a luta dos povos originários. É essa a mensagem que a banda Unabomber quer passar com uma pesada versão disponível nos principais serviços de streaming e que chega também com um lyric video, com direção, edição e pós-produção assinadas por Gabby Vessoni sobre arte de Jhon Bermond.

“Os discos ‘Clube da Esquina’ e ‘Clube da Esquina 2’ são marcos da música brasileira e referência para a gente. A escolha de ‘Canoa Canoa’ veio da vontade de fazer um tributo à música mineira, aos povos indígenas e ao meio ambiente, estes últimos atacados, desta vez, por uma política governamental orquestrada para acabar com as florestas e as comunidades que sobrevivem dela”, conta o guitarrista Sandro Luz.

O olhar crítico é um elemento que sempre esteve presente no trabalho da Unabomber. E o texto da banda foi amadurecendo sob ou sobre uma base sonora pesada de rock alternativo, com elementos implícitos do punk, postpunk e metal industrial.

Originária da Baixada Fluminense (Rio), e formada por André Luz (voz), Sandro Luz (guitarra), Alan Vieira (baixo) e Paulo Stocco (bateria), estrearam em 1996 com uma demotape homônima e produção a cargo da própria banda. Já a segunda fita, intitulada “R” e lançada no ano seguinte, contou com a produção do então iniciante Rafael Ramos (DeckDisc, Dead Fish, Pitty, Titãs). Após mais três anos de muitos shows pelo sudeste e participação em festivais, abrindo para nomes como Titãs, Raimundos, Charlie Brown Jr., Paralamas do Sucesso, Lemonheads e outras, o grupo encerrou as atividades.

Quase 18 anos depois, eles retornam à cena com o EP Massas & Manobras S/A (2017), onde fazem uma releitura de faixas das duas demos dos anos 90. O EP, lançado exclusivamente nas redes de streaming, contou com a produção musical de Celo Oliveira (Fleesh, Hydrya), além de projeto visual do fotógrafo Marcos Hermes. Na sequência, em meio ao xadrez sociopolítico contemporâneo, compõem e lançam o single inédito “Silêncio”, sempre com a produção de Celo Oliveira. Já em 2018, apresentam a primeira versão gravada pela banda. Trata-se de “Pesadelo”, de Paulo César Pinheiro e Maurício Tapajós, gravada originalmente pelo MPB4, em 1972. No ano seguinte, incorporaram à sua discografia o EP O Mal da Máquina Morre, que traz o hit “Guanabara”.

Unindo o peso do rock aos versos cortantes do rap, na parceria inédita com a rapper paulistana Flor MC, entregam em abril de 2020 o single “João 8:32”. A letra reflete sobre o fenômeno das fake news e sua influência no atual cenário sociopolítico do Brasil. Musicalmente, a faixa remete à trilha sonora de “Judgment Night” (USA, 1993), que conta com parcerias de artistas rock com nomes do rap, como Helmet & House of Pain.

Com produção musical de Celo Oliveira, “Canoa Canoa” está disponível nas principais plataformas de streaming de música e no YouTube.

Utilize o player abaixo e curta o lyric video desta novidade aqui no site da 89 A Rádio Rock:

Via AI

Corey Taylor lança clipe com Lars Ulrich, Rob Halford e Marilyn Manson para parceria com rappers; veja

Além de “CMFT Must Be Stopped”, “Black Eyes Blues” também foi lançada hoje com lyric video

Corey Taylor finalmente compartilhou as primeiras músicas de seu disco solo, que ele também acaba de revelar que se chamará CMFT — uma sigla para “Corey MotherFucking Taylor”.

As duas canções liberadas hoje foram “CMFT Must Be Stopped” e “Black Eyes Blue”, ambas bem diferentes entre si em relação à sonoridade. A primeira, inclusive, foi a escolhida para ganhar clipe.

É nela que Corey está acompanhado dos rappers Tech N9ne Kid Bookie, que honestamente trazem as melhores partes da faixa, na qual o cantor tenta mostrar uma pegada que transita entre o Rap e o Rock, diferentemente do outro single que exibe uma versão dele com a qual estamos mais acostumados.

O clipe de “CMFT Must Be Stopped”, no entanto, é uma atração à parte: por lá, o vocalista de Slipknot Stone Sour parece não se levar muito a sério e trouxe uma escalação recheada para participações especiais.

Nomes como Lars Ulrich (Metallica), Rob Halford (Judas Priest), Marilyn Manson e até as garotas do BABYMETAL aparecem em alguns trechos dublando e dançando a música. Ficou no mínimo divertido!

Continua após o vídeo

Disco solo de Corey Taylor

Em entrevista ao Mosh Talks With Beez para o site do Knotfest (via The PRP), Taylor confirmou a banda de apoio com a qual tocou no disco. Corey revelou que Christian Martucci (guitarra, Stone Sour), Zach Throne (guitarra), Jason Christopher (baixo, Prong) e Dustin Schoenhofer (bateria, Walls of Jericho) estão com ele na empreitada.

O cantor ainda afirmou que gravou mais de vinte e cinco músicas para o álbum, mas apenas treze estarão no corte final — incluindo, possivelmente, algumas covers. Saiba mais sobre o trabalho por aqui e confira abaixo o lyric video de “Black Eyes Blues”.

CMFT chega na íntegra no dia 2 de Outubro.

Corey Taylor lança dois singles de seu primeiro álbum solo nesta próxima sexta-feira

Corey Taylor, vocalista do Slipknot e Stone Sour, prepara-se para lançar não um, mas dois singles de seu primeiro álbum solo nesta sexta-feira, dia 31 de agosto.De acordo com a biblioteca do Spotify, uma música se chama “CMFT Must Be Stopped” e contará com os artistas de hip-hop Tech N9ne e Kid Bookie.

Os caras já são velhos conhecidos de Corey, que trabalhou com Tech N9ne em uma música chamada “Wither” em 2015, e com Kid Bookie em uma canção chamada “Stuck in My Ways” em 2019.

Há duas semanas, o cantor publicou o primeiro teaser dos bastidores que envolvem da produção de um videoclipe de seu disco solo, mas não deu detalhes sobre o material que chegará para os fãs.

Pelo que se sabe até aqui,  Corey Taylor deve lançar seu álbum até o final do ano e os músicos que o acompanharão nessa empreitada são: Jason Christopher no baixo, Dustin Schoenhofer na bateria, e os guitarrista Zach Throne e Christian Martucci, este último do Stone Sour.

Depois de muita expectativa, Marilyn Manson libera novo single: “We Are Chaos”

Após anunciar em suas redes socais a chegada de um novo single, Marilyn Manson acaba de disponibilizar para as plataformas digitais “We Are Chaos”. Essa é a faixa-título do décimo primeiro álbum de estúdio do cantor, que será lançado no dia 11 de setembro via Loma Vista Recordings.

Coproduzido por Manson e pelo vencedor do Grammy® Award, Shooter Jennings [Brandi Carlile, Tanya Tucker], o opus de dez faixas foi escrito, gravado e terminado antes da pandemia atingir todos nós.

Recentemente, Jennings  classificou o próximo trabalho do artista como uma “obra-prima”, o que gerou uma grande expectativa entre os fãs sobre o novo material de Manson.

We Are Chaos é a continuação do álbum de 2017, Heaven Upside Down, que marcou sua sétima estreia consecutiva no Top 10 nas paradas de álbuns.

Confira no player abaixo “We Are Chaos”, som novo de Marilyn Mason aqui no site da 89 A Rádio Rock:

Disco de estreia do CPM 22 chega aos serviços de streaming; ouça

Os caras do CPM 22 disponibilizaram nesta sexta-feira (31) para as plataformas digitais o seu trabalho de estreia,  A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum.

Essa chega do disco do ano 2000 aos serviços de streaming foi antecipada no início do mês com a chegada do single “Por Quê”, conforme o site da 89 noticiou.

Gravado no estúdio Wah Wah, em São Paulo, com produção de Michel Kuaker, A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum foi lançado de forma independente com tiragem limitada de apenas 4 mil cópias, o que tornou esse álbum um produto raro.

A chegada de “Por quê?” ao universo da música digital dá início uma série de lançamentos em comemoração aos 25 anos de carreira do CPM 22.

No player abaixo você confere esse importante disco do rock nacional na íntegra:

Robert Plant disponibiliza audição de música inédita; conheça “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)”

Robert Plant disponibilizou para as plataformas digitais nesta sexta-feira (31) uma música inédita que leva o nome de “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)”.

Essa é uma das três canções novas que farão parte de uma coletânea intitulada Digging Deep, que chegará no formato de um álbum duplo em 2 de outubro.

Esse trabalho englobará trinta faixas da carreira solo do vocalista do Led Zeppelin, incluindo uma série de músicas que estrearam em seu podcast, Digging Deep With Robert Plant, que vem arrancando suspiros dos fãs.

No player abaixo você ouve “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)”, que também estará presente em um novo álbum de estúdio de Robert PlantBand Of Joy Volume 2, ainda sem data de lançamento anunciada.

title_goes_here