Skip to Content

Category Archives: Rock pelo mundo

BOX CONTENDO GRANDES SUCESSOS DO SLADE SAI EM SETEMBRO

No dia 25 de setembro, a BMG lançará o box “Cum On Feel The Hitz”, uma coleção superlativa e abrangente de singles do Slade de 1970 a 1991. “Cum On Feel The Hitz” será lançado como um CD duplo e uma coleção de 2 LPs: o CD inclui de 43 singles, enquanto o vinil duplo apresenta 24 singles.

“Cum On Feel The Hitz” inclui todos os seis singles número 1 no Reino Unido da Slade: “Coz I Luv You”, “Take Me Bak ‘Ome”, “Mama Weer All Crazee Now”, “Cum On Feel The Noize”, “Skweeze Me, Pleeze Me” e ” Merry Xmas Everybody” e um total de 16 singles no top 10.

Formada em Wolverhampton em 1966, a carreira do Slade durou três décadas. A sensacional parceria de composição entre Noddy Holder e Jim Lea forneceu uma trilha sonora para a geração glam, com uma série de 17 singles consecutivos no Top 20 entre 1971 e 1976.

Na década de 1980, a banda desfrutou de um renascimento, impulsionado por uma apresentação espetacular no Reading Festival de 1980, e com o sinlge “My Oh My”, que alcançou a segunda posição em 1983.

Confira o tracklist de “Cum On Feel The Hitz”:

CD1

01. Cum On Feel The Noize
02. Skweeze Me, Pleeze Me
03. Mama Weer All Crazee Now
04. Coz I Luv You
05. Take Me Bak ‘Ome
06. Gudbuy T’Jane
07. My Friend Stan
08. Far Far Away
09. My Oh My
10. Everyday
11. The Bangin’ Man
12. Look Wot You Dun
13. Thanks For The Memory
14. Run Runaway
15. We’ll Bring The House Down
16. In For A Penny
17. Let’s Call It Quits
18. How Does It Feel
19. All Join Hands
20. Get Down And Get With It
21. Radio Wall Of Sound

CD2

01. Lock Up Your Daughters
02. My Baby Left Me: That’s Alright
03. Gypsy Roadhog
04. (And Now the Waltz) C’est La Vie
05. Myzsterious Mizster Jones
06. Ruby Red
07. Do You Believe In Miracles
08. Wheels Ain’t Coming Down
09. 7 Year Bitch
10. Still The Same
11. The Shape Of Things To Come
12. Know Who You Are
13. Nobody’s Fool
14. Burning In The Heat Of Love
15. Give Us a Goal
16. Ginny Ginny
17. Sign Of The Times
18. Knuckle Sandwich Nancy
19. Ooh La La in L.A.
20. That’s What Friends Are For
21. We Won’t Give In
22. Merry Xmas Everybody

Fonte: Blabbermouth

Álbum de estreia do Foo Fighters é um trabalho dedicado ao Nirvana, diz Dave Grohl

As comemorações em torno dos 25 anos do álbum homônimo de estreia do Foo Fighters renderiam este ano para a banda um giro de van pelos Estados Unidos para tocar nos principais lugares onde promoveu esse trabalho, mas a pandemia de COVID-19, obviamente, liquidou esse plano, que precisou ser adiado.

Falando um pouco sobre isso e também detalhando as circunstâncias em que nasceu o disco Foo Fighters, em 1995, Dave Grohl deu uma entrevista à Apple Music na qual também fez algumas revelações interessantes sobre a essência dessa sua produção. Num trecho reproduzido pela Alternative Nation, ele disse que considera o primeiro álbum do Foo Fighters como “dedicado a Kurt Cobain e a Krist Novoselic“.

“Eu o dedicaria a Krist e a Kurt porque… não estaríamos aqui agora falando sobre isso se não fosse pelo meu tempo no Nirvana. Eu aprendi muitas lições com kurt e tantas outras com Krist. Foi uma honra estar naquela banda e devastador quando ela terminou. Mas temos aquele catálogo de músicas que fizemos juntos e essa experiência mudou não só a nós, mas muito do mundo em que vivemos”, disse Grohl.

O líder do Foo Fighters considerou esse período em que atuou como baterista do Nirvana como uma espécie de processo de amadurecimento como músico. “Foi provavelmente o período de maior aprendizado de minha vida. Eu passei de um adolescente confuso para membro de uma grande banda. E, então, tudo terminou e eu tentei reconstruir a vida novamente com as lições que eu tinha aprendido. E eu era muito jovem, eu tinha 24 ou 25 anos. Então eu dedicaria [o disco Foo Fighters] a Krist e a Kurt, porque certamente eu devo muito a esses caras”, afirmou.

Veja o vídeo com a declaração emocionante de Dave Grohl na página da Alternative Nation (AQUI).

Motörhead: banda lança linha de produtos em parceria com a WWE

A banda MOTÖRHEAD acabou em 2015, após a morte de seu líder Lemmy Killmister. Porém, o legado do grupo será eterno, e pelo visto, a venda de merchandising também.

A mais nova empreitada é uma linha de produtos lançada em parceria com a WWE (World Wrestling Entertainment). A linha incluiu camisetas, moletons e até mesmo um disco de vinil, intitulado “Evolution of the Game”. O disco tem este nome porque o MOTÖRHEAD escreveu algumas músicas que serviram como tema de entrada do lutador Triple H, conhecido como “The Game” e um dos líderes da facção Evolution.

Vale lembrar que Lemmy Kilmister e Paul Michael Lavesque (nome completo de Triple H) eram muito amigos e entre outras coisas, o lutador chegou até mesmo a fazer um pronunciamento no funeral de Lemmy.

youtube player

youtube player

Com Frusciante, Flea compartilha fotos animadoras do Red Hot Chili Peppers em estúdio

John Frusciante, que voltou ao grupo no fim do ano passado, aparece nas fotos.

Tá rolando, hein! Flea, baixista do Red Hot Chili Peppers, publicou algumas fotos que aceleraram o coração dos fãs da banda — principalmente aqueles que ansiavam pela volta de John Frusciante.

Isso porque, através da função stories de seu Instagram, o músico compartilhou imagens dos caras em estúdio, possivelmente gravando o novo disco. O guitarrista que voltou à banda no fim do ano passado também aparece.

Além dos dois, o baterista Chad Smith e o técnico de bateria Chris Warren, que também toca com o grupo nos shows, aparacem nos stories. Só faltou mesmo Anthony Kiedis, mas é bem provável que o vocalista também esteja por lá neste momento.

As fotos ainda mostram vários equipamentos de estúdio e um caixote com o logo da banda. Mais detalhes sobre esse novo trabalho ainda não foram revelados, mas imaginamos que isso deve acontecer em breve!

Confira as fotos de Flea logo abaixo (via RHCP Brasil).

RHCP em estúdio com Frusciante

Robert Plant irá divulgar faixas antigas inéditas em nova coletânea

Lendária voz do Led Zeppelin prepara lançamento com 2 discos e 30 faixas

 

Robert Plant, a lendária voz do Led Zeppelin, está preparando uma nova coletânea que será definitivamente muito especial.

Além de conter faixas de toda a sua longa e prolífica carreira, Digging Deep contará com três gravações inéditas que ele havia mencionado recentemente que estava pensando em divulgar.

As canções são “Nothing Takes the Place of You”, escrita por Toussaint McCall e gravada para o filme Winter in the Blood (2013); “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)” e uma versão de “Too Much Alike”, de Charlie Feathers, gravada em um dueto com Patty Griffin.

Novo álbum de Robert Plant?

Como lembra a UCR, as declarações dos planos de Plant aconteceram em seu próprio podcast — chamado Digging Deep with Robert Plant — e ele chegou a dizer que tem “um álbum inteiro” pronto e esperando para ser lançado.

O trabalho em questão se chama Band of Joy II e conta com a participação de Buddy Miller e Patty Griffin. Além disso, teoricamente a música “Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)” estará por lá.

Já a coletânea Digging Deep chega no próximo dia 2 de Outubro, em um pacote com dois CDs ou em formato digital. Mais do que as inéditas, a compilação irá reunir outras gravações que foram divulgadas de forma “limitada” no próprio podcast de Robert.

Confira a lista de faixas a seguir.

Tracklist de Digging Deep

CD 1

  1. Rainbow
  2. Hurting Kind
  3. Shine It All Around
  4. Ship of Fools
  5. Nothing Takes the Place of You
  6. Darkness, Darkness
  7. Heaven Knows
  8. In the Mood
  9. Charlie Patton Highway (Turn It Up – Part 1)
  10. New World
  11. Live I’ve Never Been Gone
  12. I Believe
  13. Dance with You Tonight
  14. Satan Your Kingdom Must Come Down
  15. Great Spirit (acústica)

CD 2

  1. Angel Dance
  2. Takamba
  3. Anniversary
  4. Wreckless Love
  5. White Clean & Neat
  6. Silver Rider
  7. Fat Lip
  8. 29 Palms
  9. Last Time I Saw Her
  10. Embrace Another Fall
  11. Too Much Alike (feat. Patty Griffin)
  12. Big Log
  13. Falling in Love Again
  14. Memory Song (Hello Hello)
  15. Promised Land

Metallica: Assista show old school de 1989 filmado com câmera de Lars Ulrich

O Metallica postou mais um vídeo da série “#MetallicaMondays”, onde um show completo é exibido online, tanto no canal oficial da banda no youtube quanto no facebook, e desta vez trata-se da apresentação realizada no dia 23 de setembro de 1989 no Irvine Meadows Amphitheatre em Irvine, California, em registro feito pela câmera pessoal de Lars Ulrich com áudio extraído da mesa de som (e partes do áudio registrados de forma amadora na plateia). Ou como diz a nota da própria banda, “Desta vez, não espere um filmagem profissional requintada!”

De acordo com o setlist.fm, estas foram as músicas tocadas no show:

– Blackened
– For Whom the Bell Tolls
– Welcome Home (Sanitarium)
– Harvester of Sorrow
– The Four Horsemen
– The Thing That Should Not Be
– Bass Solo
– Master of Puppets
– Fade to Black
– Seek & Destroy
– …And Justice for All
Encore:
– One
– Creeping Death
– Guitar Solo
– Battery
Encore 2:
– The Wait (Killing Joke cover) (partial)
– Last Caress (Misfits cover)
– Am I Evil? (Diamond Head cover)
– Whiplash
Encore 3:
– Motorbreath
– Breadfan

FONTE: Blabbermouth
https://www.blabbermouth.net/news/watch-metallicas-entire-19…

Há 45 anos: Black Sabbath lançava o clássico Sabotage

Em 28 de julho de 1975, a lendária banda BLACK SABBATH lançava seu sexto álbum de estúdio, o magnífico “Sabotage”. O disco é um dos mais “viajados” e pesados de toda a carreira da banda (e tem uma capa com gosto pra lá de duvidoso).

“Sabotage” apresenta composições bem variadas. Se por um lado “Symptom of the Universe” é extremamente pesada e tem um dos riffs de guitarra mais violentos da história do metal, por outro,”Am I Going Insane (Radio)” é bem menos “malvada”. É possível notar a influência de rock progressivo, principalmente na excelente “Megalomania”, que proporciona quase dez minutos de uma viagem insana. Ainda vale destacar a clássica “Hole in the Sky” com seu riff marcante e a épica instrumental “Supertzar”.

Um álbum que nunca sai de moda, “Sabotage” fecha com chave de ouro uma sequência criativa sensacional, iniciada em 1970, com o disco que levao nome da banda. Os dois próximos discos com Ozzy nos vocais (“Technical Ecstasy e “Never Say Die”), apesar de bons discos, não são tão cultuados ou influentes.

“Sabotage” – BLACK SABBATH

Data de lançamento: 28 de julho de 1975

FAIXAS

“Hole in the Sky”
“Don´t Start (Too Late)”
“Symptom of the Universe”
“Megalomania”
“The Thrill of It All”
“Supertzar”
“Am I Going Insane (Radio)”
“The Writ”

FORMAÇÃO

Ozzy Osbourne: vocal
Tony Iommi: guitarra
Geezer Butler: baixo
Bill Ward: bateria

GENESIS REAGENDA TURNÊ DE REUNIÃO PARA ABRIL DE 2021

A aguardada reunião do Genesis teve que ser adiada por conta da pandemia. A turnê de Phil Collins, Tony Banks e Mike Rutherford, intitulada The Last Domino?, foi reagendada para abril do próximo ano.

A excursão pelo Reino Unido começa no dia 1º de abril de 2021, em Glasgow, e termina dia 30 de abril, em Londres. O grupo também passará por cidades como Birmingham, New Castle, Manchester, Dublin, Leeds e Liverpool. Todos os ingressos já comprados para as datas de 2020 continuam válidos para os novos shows.

O trio será acompanhado no palco pelo filho de Collins, Nicholas, na bateria e o músico de longa data Daryl Stuermer na guitarra e baixo. Esses serão os primeiros shows do Genesis em 14 anos.

“Parece Que Estamos Andando Para Trás”, Diz Andreas Kisser Sobre O Aumento Da Extrema-Direita Na Política E Sociedade

Na última quinta-feira, 23, o guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser, participou de uma sessão de pergunta e resposta com os fãs no evento online da gravadora Nuclear Blast via Twitch.

Um fã polonês perguntou ao músico se a atual situação política no mundo pode ser fonte de inspiração para letras de músicas. Andreas respondeu:

“O mundo inteiro está passando por esse tipo de ponto de vista de extrema-direita, ou como você quiser chamar, na nossa sociedade, política e outras coisas. Na Polônia, eles estão passando pelo mesmo tipo de situação – nos Estados Unidos e aqui no Brasil também. É realmente uma situação muito triste, porque parece que estamos andando para trás”.

“Houve muitos ganhos historicamente, nos direitos humanos, na batalha contra o racismo, no movimento das mulheres, no feminismo e tudo isso, então é realmente insano que estejamos passando por isso novamente e mais insano que ainda tenha pessoas que acreditam e apoiam esse tipo de ponto de vista ou ideologia”, ele continuou.

“Mas a música está aqui e o metal salva [risos]. Você vê, por volta dos anos 80, quando Ronald Reagan era presidente dos Estados Unidos e também de extrema-direita e conservador, e toda a guerra contra as drogas que foi um fracasso e uma completa estupidez. O thrash metal e o punk cresceram naquela época. O Dead Kennedys e até o Metallica se inspiraram com o tema político e fizeram ótimos álbuns, o que me inspirou a ser músico e estar em uma banda. Então, acho que temos que tirar proveito de situações como essa e sermos um pouco mais positivos. As notícias são realmente deprimentes – quase não ouvimos notícias boas durante essa quarentena. Então, é bom que a música nos ajude a passar por esse tipo de situação”.

“Nós estamos passando por um período de transição em nossas vidas”, acrescentou Andreas. “É muito difícil, mas as coisas vão voltar – vamos ter shows, vamos ter eventos esportivos e outras coisas, mas de uma maneira diferente. Não sabemos exatamente como vai ser, mas no final das contas, acho que será algo positivo, muitas coisas positivas sairão disso”.

Vale lembrar que o último disco do Sepultura, Quadra, foi lançado no dia 07 de fevereiro deste ano via Nuclear Blast Records.

Madre Sun lança EP de estreia e clipe da inédita “Puzzle” 216

Após o lançamento dos singles “Trick Up The Sleeve” e “Speed Of Light”, Madre Sun, banda inglesa formada por brasileiros, compartilha seu EP de estreia The Speed Of Light.

Gravado ao vivo em cinco dias em Cambridge, no Reino Unido, o trabalho é uma prévia do que podemos esperar do álbum de estreia do Madre Sun. A banda é composta pelos irmãos Eduardo e Matt Cavina, o baterista paulistano Flipi Stipp e Tyson Schenker, na guitarra. “As faixas foram escritas de forma bem livre em todos os aspectos, com todos os membros da banda”, comenta Eduardo sobre o processo criativo por trás do EP.

O lançamento vem acompanhado por clipe da inédita “Puzzle”, uma música sobre a história de uma vida a dois, que não deu certo”, explica Matt. “O lyric video apresenta esse conceito de uma forma mais profunda. A ideia surgiu apenas há 3 semanas e meia e na hora contatei um grande amigo, o designer Duda Medrado que topou ilustrar essa história em conjunto com Fabio Matta, outro grande parceiro nosso, que assumiu a parte de animação do vídeo.”

Assista ao clipe de “Puzzle” no player abaixo:

title_goes_here