Stephen King sonhou com um assassino. E então o rei irá deixá-lo assumir uma vida própria

Stephen King sonhou com um assassino. E então o rei irá deixá-lo assumir uma vida própria

O novo livro de Stephen King, Billy Summers, surgiu enquanto contava a si mesmo histórias de ninar. "Comecei a pensar nesse problema, de um assassino que teve que dar um tiro e fugir do quinto andar, ou de um andar alto de um prédio", diz ele à Rolling Stone. "Eu comecei a me perguntar: 'Como ele vai fazer isso?' E eu me coloquei para dormir, muitas noites, pensando em diferentes possibilidades, maneiras diferentes para essa idéia funcionar. E pouco a pouco, a história começou a girar a partir disso".

King tem uma longa história de escrever livros com enredos sobre escrever ou estrelar escritores, e, apesar de ser essencialmente um romance de assalto, Billy Summers não é diferente. O personagem titular, um assassino que só mata "pessoas más", é um ávido leitor que muitas vezes se faz de bobo para transmitir à seus chefes em uma falsa sensação de segurança. Nós o encontramos aceitando seu último trabalho no início do livro, matando outro assassino, disfarçando-se como um romancista e procurando um pouco de silêncio em uma pequena cidade.

Os chefes o colocaram em um "modesto" arranha-céu situado em frente ao tribunal, onde o seu companheiro de profissão aparecerá depois de ser encaminhado por uma acusação de assassinato. Depois de fingir ser um escritor por alguns dias enquanto as coisas acontecem no tribunal, Summers começa a escrever a história de seu passado tumultuado, seu tempo como fuzileiro durante a guerra do Iraque, e como ele entrou em sua linha de trabalho.

Mesmo depois que o trabalho inevitavelmente dá errado - e ele se junta a uma universitária que ele salvou após sofrer um estupro e ser largada na rua - Summers continua a escrever, eventualmente passando o manto para a estudante, Alice. Leitores constantes apreciarão isso - SPOILER - Summers termina seu livro exposto no Colorado, bem em frente às ruínas do Hotel Overlook, do famaso O Iluminado, onde o protagonista/antagonista, também escritor, Jack Torrance, é levado a loucura.

Paulo Souza