Dee Snider - Leave A Scar

Depois de cravar as unhas no Heavy Metal com o álbum de 2018 For the Love of Metal, Snider largou o Hard e Glam de vez com Leave a Scar

Dee Snider - Leave A Scar

Caso você ainda imagine aquele vocalista do Twisted Sister, não faz idéia do quão pesado esse rock star que é o Sr. Dee Snider está. Temos aqui um cara que cravou hits da década de 1980 com uma das bandas mais notórias da geração MTV, vestido como uma dama reforçada por esteroides e assustando os pais 'preocupados'. Os hinos que destruíram a escola continuaram chegando, mas Dee - aparentemente - não recebeu royalties por nada disso.

Um humano normal pode acabar quebrado e quebrado, mas Dee simplesmente zombou de tudo isso e redobrou seus esforços. Como Leave A Scar prova, ele continua gloriosamente incapaz de se comportar como um homem de 66 anos e, talvez o mais impressionante, mantém o rugido macho alfa que o levou à fama. É uma continuação impermeável ao esforço solo anterior de 2018 e é apropriadamente intitulado For The Love Of Metal, na medida em que é tão previsível, mas não deixa de ser um soco na cara.

Enquanto o vocalista se enfurece com letras como a de I Gotta Rock (Again) e Down But Never Out, os guitarristas Charlie Bellmore e Nick Petrino carimbam cada faixa com autoridade metálica. Solos dogfight e riffs piledrive. Por um lado, tudo parece um toque rebatizado e formulado - mas longe do glam rock ou o hard farofa para rádios. Ouve-se a paixão de Dee pelo metal, Time To Choose apresenta ruídos vocais de George 'Corpsegrinder' Fisher, o vocalista do death metal da banda Cannibal Corpse. É uma colaboração louca que, no entanto, tem sucesso, e ela está ao lado da não menos pesada In For The Kill, que adiciona uma dose de metalcore ao seu gancho violento.

Então, apesar de dedicar uma vida inteira a cena Hard e Glam, às vezes sem recompensa,  Snider permanece impenitente e não diminuído. Pode ser verdade a história sobre os cães velhos que não aprendem novos truques, mas Dee Snider ainda está por aqui para desmentir velhos ditados.