O adeus aos palcos da lendária Tina Turner

O documentário 'Tina', exibido no Festival de Cinema de Berlim, marca a despedida da cantora.

O adeus aos palcos da lendária Tina Turner
Foto: Alain Benainous/Getty Images

Do início de sua carreira como rainha do R&B até suas turnês com recorde de vendas nos anos 80, Tina Turner compartilha alguns de seus momentos pessoais e revela suas lutas mais íntimas no documentário "Tina". 

Dirigido por Dan Lindsay e T.J. Martin, "Tina" estreia no dia 27 de março pela HBO e HBO Max (ainda sem data para chegar ao Brasil). Erwin Bach, marido de Tina Turner, assina a produção executiva do filme. Recém-exibido no Festival de Cinema de Berlim, o documentário é um registro marcante e inspirador de uma sobrevivente de violência física e psicológica. “Tive uma vida de abusos”, comenta Tina. 

O filme começa com uma entrevista à revista People, na qual Tina revela que foi agredida durante 15 anos por seu ex-marido e colaborador, Ike Turner. Em 1981, a cantora decidiu falar abertamente sobre “as torturas, a vida de morte”, segundo suas próprias palavras. Até aquele momento, nenhuma estrela havia confessado que sofria de violência doméstica diante do público dessa maneira.

Anna Mae Bullock (seu nome de batismo) cresceu nos campos de algodão do Tennessee e teve uma infância pobre. Aprendeu a cantar no coral da igreja e, aos 15 anos, foi abandonada pelos pais. Aos 17, conheceu Ike Turner, o cantor e produtor que a lançou. Em pouco tempo, eles se casaram, formaram uma dupla musical e juntos alcançaram a fama e o sucesso, graças principalmente aos shows dançantes que os destacaram na cena do R&B daquela época. “Eu era jovem e ingênua, e o mundo se abria para mim”, disse Tina. 

Apesar do sucesso da dupla, a cantora sofria nas mãos de um marido alcoólatra e viciado em drogas. Em uma viagem a Dallas, ela resolveu dar um basta ao relacionamento após uma surra. “Foi no feriado de 4 de julho de 1976 que eu consegui a minha liberdade”, recorda Tina. Ela renunciou a tudo em seu processo de divórcio, exceto ao seu nome, Tina Turner.

Ao lado de seu novo empresário, Roger Davies, Tina começa a construir uma carreira solo. A cantora corta o cabelo, muda o guarda-roupa e sai em turnê pela Europa, fugindo da padronização das rádios norte-americanas. A consagração veio com o lançamento do álbum “Private Dancer”, em 1984, vendendo mais de 10 milhões de cópias. A música “What’s love got to go with it” alcançou o primeiro lugar na Billboard Hot 100. Em janeiro de 1988, Tina se apresentou para 180 mil pessoas no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Aos 81 anos, Tina Turner diz adeus aos palcos. A cantora vendeu mais de 100 milhões de discos e ganhou 12 prêmios Grammy. Sua carreira rendeu vários livros e um musical na Broadway, The Tina Turner Musical”, onde Tina fez a sua última aparição púbica em novembro de 2019. 

Dividido em cinco capítulos, o documentário traz depoimentos de jornalistas, amigos e colaboradores da cantora. 

Confira o trailer: