Red Bull vê redenção de Verstappen em Baku um ano depois: 'Atuação muito madura'

Christian Horner, chefe da Red Bull, lamentou o azar da rival Ferrari e elogiou "brilhantes" Max Verstappen e Sergio Pérez em Baku

Red Bull vê redenção de Verstappen em Baku um ano depois: 'Atuação muito madura'

Por: Terra

A Red Bull teve um dia perfeito em Baku. Neste domingo (12), no GP do Azerbaijão, a equipe dos energéticos teve pontuação perfeita: dobradinha e melhor volta. Ainda viu a Ferrari abandonar com os dois carros. O chefe da Red Bull, Christian Horner, viu atuação madura de Max Verstappen e reconheceu que Sergio Pérez sofreu demais com o desgaste de pneus.

Horner lamentou o fato de Charles Leclerc ter abandonado após estouro do motor enquanto liderava o que era uma batalha de estratégia. Mas encheu a dupla de pilotos da Red Bull de elogios. A diferença entre os dois foi desgaste, de acordo com o chefe, o que indica que talvez Pérez tenha dado atenção demais ao acerto de classificação enquanto Verstappen concentrou na corrida.

"Seria fascinante ver o que aconteceria, porque Charles parou no VSC logo cedo. Foi muito, muito cedo, o que significaria um stint longo. Com uma vantagem de nove voltas para os dois carros, estaríamos em boa forma [para recuperar a liderança], mas não deu para ver como terminaria. Azar para a Ferrari, sobretudo Charles, mas um bom dia para nossos rapazes, que foram brilhantes", disse.

Horner elogiou muito a atuação de Max Verstappen (Foto: Red Bull)

"Max tinha menos desgaste de pneus que Sergio, então os dois foram muito justos entre si. Depois, quando Charles saiu, ainda tinha uma corrida pela frente. Os dois fizeram o que pedimos: deram espaço um ao outro. Sem Charles, não havia muito o que dar errado com o ritmo que tínhamos. Era para levar os carros para casa", avaliou.

"Checo foi mágico ontem e largou muito bem, mas depois se deparou com muito desgaste nos pneus traseiros e bem rapidamente. Talvez tenhamos cuidado demais da classificação no lado dele da garagem, mais que da corrida. O carro de Max tinha menos desgaste e foi uma prova madura por parte do líder do campeonato. Redenção após o estouro de pneus do ano passado. E foi por isso que mudamos os pneus com 20 voltas ainda pela frente", explicou.

"Dava para ver que Checo estava com os pneus traseiros muito desgastados. Montreal é uma pista semelhante a essa, então temos de analisar. Nossos engenheiros vão entender. Vimos uma mudança de pontos desde a Austrália até onde estamos agora, mas tudo o que vivemos em 2022 representa somente 1/3 do campeonato. Há muita coisa pela frente", finalizou.

A Fórmula 1 volta já na semana que vem, entre os dias 17 e 19 de junho, em Montreal, com o GP do Canadá.