Reign In Blood do Slayer é o maior álbum de thrash de todos os tempos?

Lançado em 7 de outubro de 1986, o terceiro álbum do Slayer, Reign In Blood, é e será referência quando o assunto é Thrash Metal

Leva apenas 28 minutos e 58 segundos para Reign In Blood destruir a competição e se tornar o maior lançamento de um álbum de thrash metal à época. Seria ele a obra prima do estilo?

Gravado pelo produtor Rick Rubin com a intenção de trazer as guitarras agressivas e os tambores de metralhadora de Dave Lombardo da forma mais visceral e direta possível, temos toda a violência contida até então pelo Slayer vindo à tona. 

Mas não era simplesmente a música do Slayer que era pesada. Uma atitude foi gritada, gerando controvérsias. Eles poderiam ter pensado duas vezes sobre abrir o álbum com uma canção sobre o médico nazista Josef Mengele, a primeira palavra da qual é um bruto, gritou 'Auschwitz'. Nem o autor da música, Jeff Hanneman (que defendeu a letra dizendo: "Não precisamos dizer que ele é um cara mau"), nem Tom Araya, estavam preocupados ou incomodados com qualquer reação.

O resto do álbum não é menos polêmico e devastador. É como um cão raivoso puxando a ponta de sua corrente, espumando pela boca, sufocando com raiva. Às vezes, você não pode realmente perceber as palavras proferidas no vocal de Tom, exemplo claro é Necrophobic ou a rapidíssima Jesus Saves e, tal é a velocidade de sua entrega. E o final de Raining Blood, que encerra o álbum com um borrão sonoro desorientador.

"Se você quer uma imagem do futuro", escreveu George Orwell em seu livro de 1984, "imagine uma bota pisando em um rosto humano, para sempre". Talvez não exista uma tradução musical tão perfeita quanto Reign In Blood.

Paulo Souza