Skip to Content

Blog Archives

Série de TV irá contar a história do Sex Pistols

Um dos pioneiros mais ultrajantes e icônicos da cena punk rock, os Sex Pistols, será a base para uma nova série para FX. De acordo com a Variety, a série de seis episódios será baseada nas memórias de 2018 do guitarrista Steve Jones, “Lonely Boy: Tales From a Sex Pistol” e será dirigida pelo diretor vencedor do Oscar Danny Boyle.

A produção da série está prevista para começar em março, com a série atualmente usando o título Pistol. Boyle também atuará como produtor executivo da série.

O elenco já foi iniciado com Toby Wallace escalado como Jones, Anson Boon como cantor Johnny Rotten, Louis Partridge como Sid Vicious, Jacob Slater como Paul Cook e Fabien Frankel como Glen Matlock. A série também escalou Sydney Chandler como Chrissie Hynde, Emma Appleton como Nancy Spungen e Maisie Williams como o ícone punk Jordan.

Boyle, cujos créditos de direção incluem Slumdog Millionaire, Trainspotting, 28 Days Later e Yesterday, disse em um comunicado à Variety : “Imagine invadir o mundo de The Crown e Downton Abbey com seus amigos e gritando suas canções e sua fúria por tudo que eles representam. Este é o momento em que a sociedade e a cultura britânicas mudaram para sempre. É o ponto de detonação da cultura de rua britânica… onde os jovens comuns tinham o palco e desabafavam sua fúria e sua moda… e todos tinham que assistir e ouvir… e todos os temiam ou os seguiam. Os Sex Pistols. No centro estava um jovem cleptomaníaco analfabeto charmoso – um herói para a época – Steve Jones, que se tornou, em suas próprias palavras, o 94º maior guitarrista de todos os tempos. Foi assim que ele chegou lá. ”

Sex Pistols teve uma carreira breve e meteórica, destacada pelo icônico álbum punk de 1977, “Never Mind the Bollocks, Here the Sex Pistols.” Apesar de seu curto período, a influência da banda foi imensa com o grupo recebendo indução ao Rock and Roll Hall of Fame em 2006. Mas no verdadeiro estilo Sex Pistols, a banda não compareceu à cerimônia e chamou o Rock Hall de “uma mancha de mijo ” em uma mensagem aos organizadores.

 

REDAÇÃO LED FM

 

Bad Religion comemora 40 anos de punk rock com série de shows on-line

Os ícones do punk rock Bad Religion celebrarão seus 40 anos realizando vários shows, denominado de “Decades”, um evento de streaming online de quatro episódios capturado ao vivo no Roxy Theatre em Hollywood, Califórnia. A banda achou importante comemorar a conclusão de 2020 como um momento estranho na história quando eles alcançaram a marca de 40 anos. Os episódios comemorativos incluirão filmagens de performances ao vivo, entrevistas exclusivas e uma espiada em seus ensaios antes da gravação de “Decades”

O cantor e co-compositor Greg Graffin discutiu sua motivação: “Posso falar por toda a banda quando digo que ficamos muito decepcionados por não podermos fazer uma turnê este ano. São nossos fãs e todos os shows que fazemos a cada ano que proporcionam a força vital do Bad Religion. “Decades” permite que novos fãs, assim como aqueles que estiveram lá no início, tenham uma visão geral rica de toda a nossa carreira e testemunhem as mudanças nos estilos de composição e performance em cada estágio de nossa evolução. “

 

Bad Religion participará de um chat ao vivo durante a estreia de cada episódio. Mercadorias específicas do programa estarão disponíveis para venda na página “Decades” de programas NoCap .

 

* Os anos 80 – BAD RELIGION executa canções de “How Could Hell Be Any Worse” , “Suffer” e “No Control” . Eles discutem como era ser jovem punks em um mundo de Pacman, Reaganomics e televangelismo. *

* Os anos 90 – BAD RELIGION executa canções de “Against The Grain” , “Generator” , “Recipe For Hate” , “Stranger Than Fiction” , “The Grey Race” e “No Substance” . Esta década consolidou sua posição como uma das bandas mais influentes e prolíficas do nosso tempo, mas não veio fácil ou sem custo; a banda discute as dores do crescimento e as lições aprendidas. *

* The ’00s – BAD RELIGION apresenta canções de “The New America” , “The Process Of Belief” , “The Empire Strikes First” e “New Maps Of Hell” . Voltando para casa e avançando para um novo milênio, o Bad Religion continuou a se maravilhar com suas proezas, lançando alguns de seus materiais mais amados até hoje. *

* The ’10s – BAD RELIGION executa canções de “The Dissent Of Man” , “True North” e “Age Of Unreason” . A pandemia COVID-19 interrompeu seus planos de turnê de “The Age Of Unreason” e agora está apresentando material nunca visto ao vivo antes. A banda fala sobre a gratidão com que vivem todos os dias, lembrando dos 40 anos sendo Bad Religion e do legado que ainda estão criando ativamente. *

 

Um pacote de quatro episódios será vendido por $40, episódios individuais podem ser comprados por $15. Os ingressos para “Decades” estarão à venda na terça-feira, 1º de dezembro ao meio-dia PST. Os episódios permanecerão à venda e visualização até a conclusão da série e disponíveis até 12h PST do dia 5 de janeiro.

Os episódios de “Decades” estrearão às 14h, horário padrão do Pacífico.

12 de dezembro: “Bad Religion: The ’80s”
19 de dezembro: “Bad Religion: The’ 90s”
26 de dezembro: “Bad Religion: The ’00s”
2 de janeiro: “Bad Religion: The’ 10s”

 

 

REDAÇÃO LED FM

The Network, banda liderada pelo Green Day, lança novo EP

O grupo que mistura new wave e punk rock liderado pelo Green Day, The Network , lançou um novo EP chamado Trans Am.

A música nova segue  Ivankkka Is a Nazi“, outro número da Trans Am lançado no início deste mês que também serviu como o primeiro novo material da Network em 17 anos. Ambas as canções apontam para o próximo álbum “Money Money 2020 Part II: Told Ya So!” .

The Network recentemente fez parceria com a Warner Records, que, é claro, atua devidamente como o selo pai do Green Day. (O Green Day trabalha com a Reprise da Warner.) Reagindo a um anúncio da assinatura no Twitter algumas semanas atrás, que postulava The Network como um “inimigo” do Green Day, os próprios Green Day compartilharam novamente as notícias sobre o serviço de rede social e adicionou um incrédulo ” WTF ?! “

Esse tipo de reação se alinha com as respostas anteriores do Green Day em torno da The Network e seu envolvimento relatado com o grupo. Isso inclui Billie Joe Armstrong do Green Day, negando a participação de seus companheiros de banda no projeto na época em que o primeiro álbum da Network foi lançado.

Mas durante uma sessão de perguntas e respostas da Rolling Stone em 2013, o baixista do Green Day, Mike Dirnt, quase admitiu que The Network é de fato o Green Day. Na entrevista, ele mencionou o álbum de 2003 (o original Money Money 2020 ) entre uma lista de realizações do Green Day que também incluía seus companheiros do Green Day, Foxboro Hot Tubs.

The Network  apresenta seis músicos se apresentando sob os pseudônimos Fink (que se acredita ser Armstrong), Van Gough (supostamente é Dirnt), Snoo (sugerido ser o baterista do Green Day Tre Cool ), Balducci (que se acredita ser o guitarrista de longa data do Green Day, Jason Branco), Capitão Cueca e Z.

Um comunicado à imprensa em torno do Trans Am EP prometeu que o ato “definitivamente não é Green Day!”

 

Capa do novo Ep Trans Am + Track Listing + Clipe Oficial

 

1. Trans Am
2. Flat Earth
3. Fentanyl
4. Ivankkka Is A Nazi
REDAÇÃO LED FM 

 

 

Bad Religion disponibiliza audição de nova música: “What Are We Standing For”

A lendária banda punk Bad Religion respondeu ao clima político estranho nos Estados Unidos no ano passado com o seu último álbum Age Of Unreason. E agora, no meio de um clima político possivelmente ainda mais estranho, eles compartilharam um novo take daquele LP, “What Are We Standing For”.

“What Are We Standing For” é uma canção de apoio a atletas como Colin Kaepernick, que se ajoelham para protestar contra o racismo e a brutalidade policial: “Não sabem mais o que estão a defender/ Mostrem alguma compreensão/ Aqueles que se ajoelham para implorar sabem exatamente o que estão a defender”.

“Nesta época de nacionalismo tribal, a dissidência, como forma de discurso político, é vital para a democracia”, diz o co-escritor e guitarrista Brett Gurewitz.

Ouça “What Are We Standing For” abaixo:

 

REDAÇÃO LED FM

 

Cólera e Badauí, do CPM 22, lançam versão de “Dia e Noite, Noite e Dia”

A lendária banda punk Cólera lançou uma nova versão do clássico “Dia e Noite, Noite e Dia”, que conta com a participação especial de Badauí, vocalista do CPM 22. A faixa veio acompanhada por um videoclipe, que faz parte do projeto Art Against The System.

A edição e filmagem ficou por conta da Pilha Produções, enquanto a gravação, mixagem e masterização foram realizadas por Daniel Brita, no Estúdio Lamparina, em São Paulo. Confira abaixo.

O Art Against The System foi criado pelo produtor musical Rodrigo Phantazma durante a quarentena como forma de expressar seu amor pela arte. A manifestação artística e cultural tem a parceria do selo independente Resistencia904.

FONTE: MARCOS CHAPELETA – LIGADO A MÚSICA

title_goes_here